Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural

entrevistas

Entrevista | Inês Pacheco

Promover a inclusão produtiva das famílias em situação de pobreza

Esse é um dos principais desafios da presidente da Emater-AL, que revela seus objetivos em entrevista para o site da Asbraer

A diretora-presidente do Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas (Emater-AL), Inês Pacheco, mestre em desenvolvimento e meio ambiente, chega à frente da recém-recriada Emater alagoana com o desafio de recompor o corpo técnico e operacional da instituição, a fim de atender às demandas e promover a inclusão produtiva de milhares de famílias que vivem no meio rural em situação de pobreza. Em entrevista ao jornalista Diego Barros, ela diz que para a superação desses e outros desafios o trabalho da Emater-Alagoas será desenvolvido principalmente as prefeituras e com as instituições que compõem o Conselho Estadual da Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Cedrafa). A seguir a íntegra da entrevista:

Quais são seus principais planos e metas à frente da Emater?

— Contribuir para a promoção do desenvolvimento rural do Estado de Alagoas, mediante a execução das políticas públicas voltadas para a inclusão produtiva, agregação de valor e a comercialização da produção familiar, mediante a organização e efetividade do serviço de assistência técnica e extensão rural (Ater).

Qual é, atualmente, o principal desafio da Emater?

— Formação do corpo técnico e operacional da autarquia com capacidade para atender as demandas dos programas e projetos voltados para a inclusão produtiva e dinamização da agricultura familiar em Alagoas, principalmente.

Quais foram as consequências da ausência da Emater em Alagoas por cerca de 10 anos?

— Desarticulação dos serviços de pesquisa e extensão rural em Alagoas; ausência total do Estado na condução dessas políticas públicas no período de 2000 a 2007, vindo a contribuir para o aumento dos indicadores de pobreza e exclusão social.

A Emater foi recriada como instituto, diferente do órgão anterior, que era uma empresa. Quais são as vantagens desse novo formato?

— A principal questão nesse processo de recriação da Emater esteve relacionada à importância da estruturação de uma institucionalidade na estrutura de governo do Estado com capacidade e autonomia técnica, administrativa e financeira para coordenar e executar as políticas públicas de inclusão produtiva e desenvolvimento rural em Alagoas. Quanto à forma jurídica de autarquia é considerada adequada, uma vez que atende ao papel que lhe compete.

A recriação da Emater foi uma demanda apresentada, principalmente, pelas entidades da agricultura familiar e pelo setor produtivo. Como deverá ser o relacionamento institucional do órgão com essas entidades?

— O trabalho desenvolvido pela Emater compreende ações em parceria com diversas instituições, principalmente com as prefeituras municipais e as organizações e entidades representativas de todos os segmentos envolvidos. Nesse sentido, além do Conselho Gestor da Emater, teremos o Cedafra (Conselho Estadual da Agricultura Familiar e Reforma Agrária) como um dos fóruns mais qualificados para esse debate com a sociedade.

Após a estruturação e a plena execução de seus projetos, o que a Emater deverá proporcionar na realidade e no segmento produtivo alagoano? Quais serão os resultados desse trabalho?

— Atualmente, o governo do Estado dispõe de um sistema de monitoramento dos projetos estruturantes para Alagoas (Alagoas Tem Pressa), onde as ações de Assistência Técnica e Extensão Rural e a produção de alimentos, através de dinamização da agricultura familiar, são prioridade. De modo que um dos grandes desafios da Emater consiste em promover a inclusão produtiva de milhares de famílias em situação de pobreza, através da produção de alimentos e a geração de oportunidades de trabalho e renda no meio rural e periurbano, mediante a agregação de valor e apoio à comercialização da produção familiar. O outro desafio é orientar as ações de pesquisa e inovação para o atendimento dessas demandas.

Quais são os seus planos à frente da empresa?

— Tornar a Emater uma instituição com capacidade técnica e financeira para o desenvolvimento da sua missão, considerando no escopo do seu trabalho toda a diversidade da agricultura familiar e as especificidades do Estado de Alagoas, seja no que concerne à estrutura fundiária e à necessidade da diversificação da produção, bem como os arranjos institucionais necessários para a organização da rede de assistência técnica. O mais importante nessa travessia é que contamos com a determinação do Governador do Estado (Teotônio Vilela) para a efetividade do Serviço de Assistência Técnica, Pesquisa e Extensão Rural no processo de desenvolvimento do Estado de Alagoas.

« voltar