Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural

entrevistas

Conheça o novo presidente da Asbraer, Júlio Zoé

O novo presidente da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), Júlio Zoé de Brito, assume a gestão para o biênio de 2011-2013.

Natural de São João do Sabugi, Sertão do Seridó, no Rio Grande do Norte, mas recifense de coração, o engenheiro agrônomo e doutor em botânica, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Júlio Zoé de Brito, possui uma extensa lista de serviços prestados em favor do crescimento da atividade agropecuária no estado. Seus esforços no desenvolvimento de pesquisas voltadas à viabilidade econômica do Semiárido nordestino lhe renderam o título de Cidadão Pernambucano, concedido pela Assembléia Legislativa, em dezembro de 2009.

Presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), por três gestões, entre 1995 e 1997, 2007 e 2010 e, mais recentemente, em 2011, Júlio Zoé direcionou seus trabalhos na área de Biotecnologia, com ênfase na Micropropagação, histologia e anatomia vegetal, que o credenciou a elaborar o projeto e instalar no Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (CETENE) um dos laboratórios de Micropropagação mais modernos do Brasil, denominado de “Biofábrica Governador Miguel Arraes”.

No IPA, onde iniciou suas atividades de pesquisa em 1979, Júlio Zoé ocupou, entre outros cargos, os de chefe da Estação Experimental de Itapirema, assessor da presidência, diretor Administrativo e Financeiro, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, além de coordenador da Biofábrica Governador Miguel Arraes. Em seu currículo consta, ainda, a diretoria Administrativa e Financeira da extinta Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Pernambuco (Emater-PE). Na última gestão direcionou as ações do IPA em benefício da agricultura familiar, com a reestruturação da Extensão Rural e a modernização dos laboratórios de pesquisa e melhoria da infraestrutura. Acompanhe a matéria abaixo e conheça um pouco mais sobre os planos para a nova gestão.

Asbraer- Qual a sua expectativa para a gestão na Asbraer?

Júlio Zoé - A minha expectativa é que a Asbraer consiga cumprir a sua missão. Ou seja, nós possamos construir com nossos associados uma agenda onde a extensão rural esteja na ordem do dia como uma ferramenta estratégica para o enfretamento da eliminação da miséria e a redução da pobreza no meio rural do brasil.

Asbraer – Como o senhor pretende conciliar as atividades no IPA –PE e na Asbraer?

Júlio Zoé - Sempre que eu estiver no fórum da Asbraer estou representando todas as 27 entidades, o IPA é apenas uma delas. O que nós pretendemos é criar um canal de interlocução. A Asbraer tem cinco diretores regionais. O Brasil é um país continental, cada uma das regiõesapresentam problemas, com suas especificidades, e nós devemos juntos construir políticas que atendam a essas especificidades para que as nossas associadas tenham as condições de exercer a extensão rural em cada um dos seus estados.

Asbraer –Na sua avaliação, quais serão os próximos passos que a Asbraer deve seguir para contribuir para a melhoria de políticas ?

Júlio Zoé - Inicialmente nos temos clareza que para fortalecimento da Ater pública nos teremos que buscar mais recursos para que cada entidade tenha condições de ampliar e qualificar esse serviço. Evidentemente que o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), onde fica instalada a secretaria de agricultura familiar e a diretoria de assistência técnica e extensão rural será sempre o primeiro dos ministérios na construção da nossa interlocução. Mas o desenvolvimento da agricultura familiar perpassa necessariamente pela inclusão de políticas públicas de outros ministérios.

Como o Ministério do Desenvolvimento Social, o Ministério da Integração, o Ministério de Ciência e Tecnologia , o Ministério da Educação. É inaceitável que com a grandeza do Brasil tenhamos níveis tão elevados de mortalidade infantil, analfabetismo e que as comunidades rurais completamente isoladas dos centros urbanos. Nós sabemos que 80% da população mais pobre vivem na zona rural do Nordeste. Para que as políticas públicas cheguem aos agricultores familiares é fundamental o fortalecimento da assistência técnica e extensão rural.Para isso aconteça é necessário investir na melhoria da infra-estrutura, incluindo água potável, trafegabilidade, condições de habitação digna, acesso aos serviços de saúde, educação e lazer.

Asbraer - Qual a importância da criação da Frente Parlamentar de Assistência Técnica e Extensão Rural?

Júlio Zoé- A Frente é um alicerce extremamente importante do ponto de vista político para a compreensão dos investimentos que o país precisa fazer no fortalecimento das entidades de assistência técnica e extensão rural do Brasil. Ela vai abrir as portas do Congresso Nacional pra que a extensão rural seja incluída nos principais debates da construção do país. Precisamos sensibilizar os parlamentares, os movimentos sociais e a sociedade. A modernização da agricultura familiar e da extensão rural vai auxiliar o governo federal a sanar a dívida social de que o país tem com a população brasileira no combate à miséria e a pobreza extrema.

Asbraer - Como a nossa entidade vai auxiliar, neste biênio, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) em ações em outros países?

Júlio Zoé – Precisamos com a ABC apontar qual a melhor metodologia para que as nossas associadaspossam contribuir com os países. As primeiras iniciativas vieram de forma setorial. Alguns países pediram apoio em grandes projetos de irrigação, produção de leite, cultivo de algodão e milho. Nós entendemos que a melhor contribuição que a Asbraer poderia dar a esses países, seria a luta pela capacitação desses técnicos no serviço de extensão rural pública, formado por técnicos desses países incluindo conhecimentos desde questões ambientais e de mercado.

Crédito: Julita Kissa/ Assessoria Asbraer

« voltar