Logo da ASBRAER
Logo da ASBRAER

REDE DE NOTÍCIAS

NOTÍCIA

Livro orienta sobre como restaurar áreas de Reserva Legal com araucária


Modelos apresentados visam principalmente a produção de madeira e pinhão a partir de 12 a 15 anos de idade, quando a floresta atinge sua maturidade


10/06/2024 | Assessoria de Comunicação - IDR/Paraná


Foto: Divulgação IDR- PR

Interessados em conhecer modelos de restauração de Reserva Legal (RL) com araucária consorciada com outras espécies nativas passam a contar com o livro “Modelos de restauração de Reserva Legal com Araucária”. A publicação foi editada pela Embrapa Florestas, em parceria com o IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater, Instituto Água e Terra do Paraná (IAT-PR), com apoio da empresa Gralha Azul Transmissão de Energia S.A, operada pela ENGIE Brasil Energia e apresenta três modelos técnicos elaborados por uma equipe multidisciplinar, além de capítulos sobre criação de abelhas jataí, técnicas silviculturais e orientações sobre questões de legislação ambiental. Está disponível para download gratuito aqui

 

Os modelos apresentados visam principalmente a produção de madeira e pinhão a partir de 12 a 15 anos de idade, quando a floresta atinge sua maturidade. Além disso, há possibilidade de geração de renda na propriedade rural no curto prazo, a partir da produção de lenha, mel, folhas de erva-mate, entre outros produtos. Segundo o pesquisador e editor técnico da obra, Sérgio Ricardo Silva, da Embrapa Florestas, “os três modelos de restauração de RL apresentam potencial de serem bem-sucedidos em relação ao plantio de espécies nativas florestais de valor ambiental e econômico, representando uma alternativa ao proprietário rural que precisa adequar seu imóvel à legislação ambiental, conciliando a preservação do meio ambiente com a geração de renda. Sem dúvidas, esta possibilidade de obtenção de renda adicional com a RL é um grande estímulo à sua restauração e preservação”.

 

📲 A Asbraer está no WhatsApp! Siga o canal e receba todas as notícias da Ater Pública.

 

Modelos de restauração florestal e suas finalidades
O primeiro modelo de restauração propõe o plantio consorciado de araucária, bracatinga-comum e bracatinga-de-arapoti, cuja implantação é destinada a áreas abertas, como pastos degradados ou recém-abandonados, cujas terras possuem baixa vocação agrícola. A regeneração natural no sub-bosque é preservada ao longo do tempo, para permitir o enriquecimento da biodiversidade de espécies. O foco deste modelo é o manejo da RL para produção de lenha, mel e madeira.

 

O segundo modelo proposto apresenta uma proposta de restauração de RL com geração de renda, o que é viabilizado por meio do plantio consorciado de araucária, erva-mate e bracatinga-comum. O diferencial deste modelo é a opção por mudas enxertadas de araucária, possibilitando o início da produção de pinhões em árvores mais jovens, entre seis a dez anos, comparado com a produção de árvores provenientes de sementes, que levam de 12 a 15 anos para começar a produzir. A erva-mate é plantada com alta densidade de mudas, visando uma significativa colheita de folhas a partir do terceiro ano de cultivo, sendo a principal fonte de renda na primeira década pós-implantação do sistema consorciado. Posteriormente, aos 20–25 anos após o plantio, inicia-se o manejo florestal para retirada de madeira de araucária.

 

O terceiro modelo de restauração de RL consiste na implantação de um sistema consorciado com erva-mate, espécies de suporte, como açoita-cavalo, araucária, bracatinga-comum, canela-branca, louro-pardo, mandiocão, pessegueiro-bravo e pinheiro-bravo, aliado a plantas medicinais, como espinheira-santa, cataia e pau-de-andrade. Nas primeiras décadas, o erval é manejado de modo similar ao convencional, sendo a principal fonte de renda, juntamente com a produção de mel. A cataia gera rendimentos econômicos a partir do quarto ano, seguida, bem mais tarde, pelas demais espécies, com produção de madeira, pinhão e tecidos medicinais.

 

Em todos os modelos é possível aliar a criação de abelhas sem ferrão ou meliponíneos. Segundo Guilherme Schühli, pesquisador da Embrapa Florestas e um dos autores deste capítulo, “a criação de abelhas é um serviço ambiental, tanto ao produtor quanto ao meio ambiente, mas também uma possibilidade de diversificação de renda, permitindo o aproveitamento dos recursos florestais disponíveis na RL”.

 

Há um capítulo específico com orientações de técnicas silviculturais para a implantação e manutenção de modelos de RL com araucária, com informações práticas sobre amostragem de solo; controle preventivo de formigas cortadeiras; limpeza da área e controle de plantas indesejáveis em pré-plantio; calagem; alinhamento de plantio; preparo do solo; adubação de base; qualidade de mudas; plantio, irrigação e replantios; proteção de mudas de erva-mate; controle sistemático de formigas cortadeiras em pós-plantio; controle de plantas indesejáveis em pós-plantio; e adubação de manutenção em pós-plantio.

 

A publicação aborda, também, a legislação ambiental atual relacionada às ações e atividades a serem realizadas previamente, durante e após o processo de implantação dos modelos de restauração de RL, de modo que o agricultor esteja em conformidade com as prerrogativas estabelecidas pelos órgãos competentes. 

 

Para Amauri Ferreira, gerente estadual do IDR-Paraná, a publicação deve servir como base para os técnicos do Instituto que trabalham diretamente com os produtores. “Ainda não tínhamos encontrado referência bibliográfica sobre o assunto. As informações contidas nesta edição vão dar subsídio aos técnicos do Instituto que atendem os produtores nas Unidades de Referência, fortalecendo a intenção de aliar proteção ambiental com lucratividade na produção de araucárias, que é a árvore símbolo do nosso estado”, afirma o gerente.

 

Projeto Conservação Araucária 
O livro é resultado do 
projeto ConservAção Araucária, desenvolvido de 2020 a 2022, uma parceria entre a Embrapa Florestas e a Gralha Azul Transmissão de Energia S.A. (subsidiária da Engie Brasil Energia), com apoio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR) e Instituto Água e Terra do Paraná (IAT-PR), que teve como um dos objetivos a instalação de unidades de referência tecnológica (URTs) para demonstração de técnicas de plantio de Araucaria angustifolia em propriedades de agricultores paranaenses como estratégia de transferência de tecnologia. Segundo Ives Goulart, analista da Embrapa Florestas, que coordenou a implantação das URTs, “a ideia é que se tornem vitrines e que outros produtores conheçam a sistemática de implantação e seus benefícios”. O IDR-PR coordenou os trabalhos de campo, como a escolha de 12 famílias de agricultores com perfil inovador que se tornaram parceiras do projeto, possibilitando a implantação dos modelos de restauração de RL nas respectivas propriedades rurais. Além disso, o IDR-PR colaborou na elaboração técnica dos três modelos de restauração de RL, prestou toda a assistência técnica aos agricultores, e disponibilizou duas fazendas experimentais para a instalação destes modelos. O IAT-PR proporcionou o suporte técnico em termos de conceitos ambientais, além do fornecimento gratuito das mudas de todas as URTs.

 

“Para nós, é extremamente gratificante estar ao lado da Embrapa na realização de um projeto que alinha geração de renda à conservação ambiental e que, com isso, promove o desenvolvimento sustentável das comunidades rurais”, avalia Karen Schroder, Gerente de Meio Ambiente da ENGIE Brasil Energia, que opera Gralha Azul Transmissão de Energia S.A. “Sabemos que, como uma empresa líder em energia renovável, a conservação da biodiversidade não só precisa integrar um dos nossos compromissos com o meio ambiente, mas também estar entre as principais estratégias do nosso negócio”, completa. 


DESTAQUES

Curso do IZ ensina a técnica de PCR quantitativa

SCLN, 116 - Bloco F - Sala 218 Edifício Castanheira
CEP 70773-560 - Brasília / DF

+55 (61) 3963-7873
+55 (61) 3963-7352
+55 (61) 3963-8076

asbraer@asbraer.org.br